cristiano mangovo

cristiano mangovo

obras

Resistencia 2, 2019
Acrílico sobre tela
134 x 206 cm

Os determinados, 2018
Acrílico sobre tela
190 x 340 cm

Tesouro, 2017
Acrílico sobre tela
120 x 160 cm

Momento do Museu, 2019
Acrílico sobre tela
100 x 100 cm

bio

Cristiano Mangovo (Angola, 1982)

Materialidade e metaforicidade constituem uma dupla essencial para aceder à essência expressiva das pinturas de Cristiano Mangovo. As suas obras figurativas em larga escala, mas altamente imaginativas e sonhadoras, que se erguem a uma grande distância de uma correspondência precisa à experiência visual ordinária, transmitem uma expressividade idiossincrática que é simultaneamente gestual e alegórica.

De uma forma muito distinta, o artista angolano sediado em Lisboa investe experiências biográficas e uma espiritualidade pessoal viva na sua criatividade visual. As suas pinturas, repletas de referências metafóricas às realidades políticas, sociais, económicas e culturais de Angola, caracterizam-se igualmente por uma forte fisicalidade com as suas pinceladas cruas, linhas energéticas e cores arrojadas. A superfície central da tela é livremente composta por padrões geométricos, motivos orgânicos e figuras expressivas que aparecem em movimento, ação e interação entre si. Destacam-se de um fundo aberto, neutro, monocromático e plano de cor preta, vermelha, verde-clara ou ocre-laranja. Assim, as alegorias centradas no ser humano, que ativam constantemente narrativas e significados muitas vezes identificáveis, são combinadas com a ausência total de perspetiva e a abolição da representação espacial. Juntamente com o impulso e o gesto performativo dinâmico, tudo isto contribui para criar uma espécie de expressionismo figurativo único.

Detalhes recorrentes como os rostos duplos com um deles representado dentro de um quadrado evocam a questão da autocensura, que é particularmente praticada dentro de regimes autoritários. Focando-se em temas complexos angolanos através de uma peculiar lente satírica e de um olho crítico afiado, a abordagem de Mangovo, com a sua inclusão de caracteres ou símbolos arquetípicos e a sua atenção a questões como injustiça, desigualdade e pobreza, vai além das especificidades locais para alcançar uma dimensão universal. Enquanto usa, nas suas composições luxuriantes, uma gama polifónica de traços “Humanos, Todos Demasiado Humanos”, o artista toca em todos os registos, desde a espectral ao jorro, da banda desenhada à trágica, do sobrenatural ao trivial, hierático ao grotesco ou sagrado ao profano. Cristiano Mangovo é um dos mais prolíficos pintores da geração angolana pós-guerra.

error: Content is protected!

Thank you

You have been added to our mailing list.
 

Envie uma questão

This site uses cookies to improve user experience. By clicking “Accept”  you consent to our use of cookies. Click “Learn more” for information on how we use cookies and for our privacy policy.