edson chagas

edson chagas

obras

Untitled, Found not taken, Luanda-Londres-Newport, 2008-14
C-print
80 x 120cm
Edição de  of 3 + 2AP

Untitled, Found not taken, Luanda-Londres-Newport, 2008-14
C-print
80 x 120cm
Edição de  of 3 + 2AP

Untitled, Factory of disposable feelings,  Luanda, Angola, 2017 
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
67 x 100.49 cm
Edição de  5 + 2AP

Untitled, Factory of disposable feelings,  Luanda, Angola, 2017 
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
80 x 120 cm
Edição de  5 + 2AP

Untitled, Factory of disposable feelings,  Luanda, Angola, 2017 
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
80 x 120 cm
Edição de  5 + 2AP

Untitled, Factory of disposable feelings,  Luanda, Angola, 2017 
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
70 x 105 cm
Edição de  5 + 2AP

Oikonomos, 2018
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
100 x 100 cm
Edição de 3 + 2AP

Oikonomos, 2018
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
100 x 100 cm
Edição de 3 + 2AP

Oikonomos, 2018
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
100 x 100 cm
Edição de 3 + 2AP

Henrique C. Adesanya, Tipo Passe, 2019
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
100 x 80 cm
Edição de  5 + 2AP

Denis M. Mpongwé, Tipo Passe, 2019
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
100 x 80 cm
Edição de  5 + 2AP

Fernão V. Poko, Tipo Passe, 2019
Impressão a jato de tinta em papel fotográfico pérola Ilford 250 gramas
100 x 80 cm
Edição de  5 + 2AP

bio

Edson Chagas (Angola, 1977)

A prática fotográfica de Edson é sobretudo urbana, inscrita em eixos físicos e conceptuais que são simultaneamente locais e globais. Edson trabalha em série, muitas vezes mantida aberta e inacabada, à qual regressa ao longo do tempo, destacando o aspeto meditativo uma prática em que gestos performativos, mais ou menos aparentes, assumem um papel essencial. A série como Found Not Taken, Oikomonos e Tipo Pass, por exemplo, resulta em atos performativos realizados em/com objetos descartados.

Found Not Taken (2008-201xx) resulta do envolvimento do artista com as cidades em que viveu e das suas próprias experiências de deslocação e deslocação nas grandes cidades – Luanda, Londres, Newport. Edson recolhe objetos descartados, transporta-os com ele e reposiciona-os em novos contextos dentro da paisagem urbana. O ato de reposicionar os objetos exige uma espécie de mise-en-scène, em que é dada especial atenção à cor, textura e escala e reencena a relação entre os objetos descartados e o tecido urbano. Os retratos resultantes, uma taxonomia das cidades e dos seus espaços, trazem uma nova dignidade aos objetos fotografados e propondo novas relações estéticas entre as imagens e os espaços que representam. 

Em Oikomonos (2011-2018) e No Passo (2012-2014) é mais evidente a exploração do retrato – corpos e identidades anónimas ou ficcionais movem-se por este mundo globalizado. No primeiro, o próprio artista posa para a câmara vestindo uma camisa branca e a cabeça coberta por sacos de compras de diferentes locais, direcionando o olhar do espectador para a redação das malas e o que representam. No segundo, retratos de cidadãos africanos em larga escala, identificáveis apenas por diferentes máscaras africanas adquiridas em mercados artesanais e nomes híbridos. Os retratos em Tipo Passe Interrogam os estereótipos em torno da “Africanidade” e a construção de identidades circunscritas pelas fixações estabelecidas pelos documentos (passaportes) sugerindo assim uma leitura de identidade mais fluida e ambígua. 

A última série de Edson muda do aspeto nómada presente na série anterior, mantendo as suas preocupações artísticas e éticas. A fábrica de sentimentos descartáveis (2019) resulta de uma interação de longo prazo com as especificidades do lugar e do contexto – uma fábrica têxtil “Irmãos Carneiro”, localizada nos arredores de Luanda – e sugerem múltiplas formas de se envolver com a história e com o tempo. Mais uma vez, detritos e objetos descartados tomam o centro do palco, ressaltando para o passado e para simultaneamente encarnar o presente e a incerteza do futuro. Através de uma precisão documental combinada com a imaginação poética, as imagens de Edson convidam o espectador a desacelerar das rotinas diárias aceleradas das cidades ocupadas e a envolver-se lentamente e a refletir sobre questões complexas como os efeitos da globalização, sobre o consumismo, sobre temas de deslocação e construção de identidades neste mundo em rápida mudança.

 

error: Content is protected!

Thank you

You have been added to our mailing list.
 

Envie uma questão

This site uses cookies to improve user experience. By clicking “Accept”  you consent to our use of cookies. Click “Learn more” for information on how we use cookies and for our privacy policy.